Atividades Nacionais

 

Sessão de Estudos

"DESAFIOS À PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA - Aumentar a representatividade, aperfeiçoar os processos de decisão"

Alfragide, 02 de março 2024

 

"Reconhecer todo o ser humano como um irmão ou uma irmã e procurar uma amizade social que integre a todos não são meras utopias. Exigem a decisão e a capacidade de encontrar os percursos eficazes, que assegurem a sua real possibilidade. Todo e qualquer esforço nesta linha torna-se um exercício alto da caridade. Com efeito, um indivíduo pode ajudar uma pessoa necessitada, mas, quando se une a outros para gerar processos sociais de fraternidade e justiça para todos, entra no «campo da caridade mais ampla, a caridade política». Trata-se de avançar para uma ordem social e política, cuja alma seja a caridade social. Convido uma vez mais a revalorizar a política, que «é uma sublime vocação, é uma das formas mais preciosas de caridade, porque busca o bem comum»."

 

Papa Francisco, Fratelli Tutti, Carta Encíclica sobre a Amizade e a Fraternidade Social, outubro de 2020

 

Caros associados e amigos

 

Acreditamos, com o Papa Francisco, que a política «é uma sublime vocação, é uma das formas mais preciosas de caridade, porque busca o bem comum» e nesta Sessão de Estudos respondemos ao seu convite para a revalorizarmos.

Com esse propósito propomo-nos:

  1. Compreender as razões pelas quais “muitos possuem uma má noção da política”[1], alheando-se dos processos de decisão. Constatamos que muitos cidadãos não se sentem representados pelos deputados que elegem e a possibilidade de lhes apresentarem diretamente os seus problemas e anseios é quase nula. Promover a representatividade, dar voz aos que a não têm para que possam ter esperança numa vida melhor e participar na construção do bem comum é um desafio para o qual procuramos perscrutar, nesta Sessão Estudos, caminhos de concretização.
  2. Como envolver nos processos de decisão das políticas públicas os que deles vão beneficiar é outro desafio que nos mobiliza, evitando, como alerta o Papa Francisco, que sejam “concebidas como uma política para os pobres, mas nunca com os pobres, nunca dos pobres, e muito menos inserida num projeto que reúna os povos”[2].
  3. Conhecer e valorizar uma perspetiva mais geral do que é a política, que não é só coisa de políticos, mas também os movimentos sociais e sindicais ou mesmo do apoio social que tem como base pressupostos políticos dos direitos humanos e a forma como se podem refletir e articular com as instituições democráticas formais na linha do que preconiza a Encíclica Fratelli Tutti, “é necessário pensar a participação social, política e económica segundo modalidades tais «que incluam os movimentos populares e animem as estruturas de governo locais, nacionais e internacionais com aquela torrente de energia moral que nasce da integração dos excluídos na construção do destino comum»”[3].
  4. A desconfiança em relação à política e aos políticos manifesta-se também em muitas paróquias e movimentos católicos. O Pensamento Social da Igreja é pouco conhecido, estudado e presente na vida dos cristãos. Valorizar a política, “uma forma sublime de caridade”, enquanto uma dimensão fundamental da nossa Fé nas comunidades paroquiais em que estamos integrados e no nosso movimento é, pois, um propósito que também nos anima nesta Sessão de Estudos.

 

 

Contamos com a vossa presença no próximo dia 2 de março, no Seminário de Nossa Senhora de Fátima, Largo Pe. Adriano Pedrali, 1 - Alfragide 2611-853 AMADORA.

As inscrições podem ser feitas até ao próximo dia 23 de fevereiro (ver link abaixo).  

A Equipa Coordenadora

_________________________

 [1]Encíclica Fratelli Tutti, ponto 176.

 [2]Encíclica Fratelli Tutti, ponto 169.

 [3]Encíclica Fratelli Tutti, ponto 169.

 

______________________________